Apps precisam de planejamento estratégico?

Claro que sim! Apps precisam de planejamento estratégico, assim como qualquer negócio. Um aplicativo que nasce sem saber pra onde ir, quem ele quer ajudar, quem são seus concorrentes diretos e indiretos, está fadado ao fracasso. Não só um app, como todas organizações.

Neste post traremos um video com a transmissão ao vivo feita pela nossa equipe, que aborda quais são os passos básicos para elaborar um planejamento estratégico. Também um documento com as principais perguntas a serem respondidas, como se fosse um guia rápido e também a parte em texto.

É um misto de prática e teoria e com tudo isso espero que você consiga aplicar ao seu app e negócio as ferramentas e conceitos e no fim:

  • Entenda a importância e tenha definido a visão, missão e valores.
  • Saiba de fato pra quem você está desenvolvendo seu app.
  • Analise fatores internos e externos em relação ao seu app.
  • Veja que você, por mais inovadora que seja sua ideia, não está sozinho.
  • Entenda as fraquezas, forças, oportunidades e ameaças do seu negócio.
  • Avalie a parte financeira do seu app, mesmo sem ser um economista.

Assista e curta nossa transmissão ao vivo: Planejamento estratégico e geração de oportunidades

Visão, Missão e Valores

Existem empresas que tem visão, missão e valores para colocar na parede e àquelas que praticam de fato. Não perca tempo se for para escrever os valores na parede da empresa e não pratica-los.

A Oderbrecht tinha na parede a honestidade como valor e ao mesmo tempo uma área interna exclusiva para pagamento de propinas.

Visão – qual é o maior benefício do seu app?

Missão – onde você vai estar em 5 anos?

Valores – na hora que a coisa apertar, o que vai ser levado em consideração. Ou melhor, se seu app fosse uma pessoa, como você a descreveria?

Para quem estou desenvolvendo meu app? Persona e público-alvo.

É essencial que você saiba exatamente qual é o público-alvo do seu app. Primeiro, para entender realmente qual é o problema que essas pessoas tem e depois para entender como desenvolver uma solução e alcançar essas pessoas.

Normalmente as análises são feitas caracterizando diferentes tipos de sexo, gênero, idade, hábitos, localização geográfica, ou seja, qualquer característica que possa definir de maneira generalizada quem são as pessoas que utilizarão seu app.

Com esta noção clara, você poderá maximizar a eficiência das suas ações de marketing, por exemplo, sabendo que seu público usa mais o Linkedin ao invés do Instagram. Pode evitar que você perca tempo e tenha mais retorno nas suas ações.

SWOT

SWOT é uma técnica de análise estratégica de uma empresa. Mesmo sendo extremamente simples, ela é muito poderosa. Você deve analisar as forças (S – strenghts), fraquezas (W – weakness), oportunidades (O – opportunities) e ameaças (T – threats).


Existem diversas fontes para te ajudar a explorar esta técnica, mas no fundo, ela se resume a responder as perguntas abaixo:

Forças – o que te diferencia ou te coloca a frente dos outros aplicativos?

Fraquezas – o que te coloca em desvantagem em relação aos outros apps?

Oportunidades – elementos que você pode usar a favor do seu app?

Ameaças  – quais são os fatores que podem destruir o seu app?

A concorrência e as 5 forças de Porter

Eu poderia escrever mais 30 posts apenas sobre as 5 forças de Porter. Este modelo foi proposto em 1979 por Michael Porter e revolucionou como os administradores e economistas enxergavam as empresas.

Claro, são quase 40 anos desde sua concepção e o modelo tem suas falhas, porém ainda serve como principal estrutura para análise estratégica de qualquer negócio.

Neste post vou apenas oferecer uma visão simples e direta sobre como cada ponto interfere no seu app.

Fornecedores – são todas as instituições, pessoas físicas, jurídicas, produtos e serviços necessários para a continuidade do seu projeto. Porter mostra que se você não tiver grande poder e estiver a mercê dos seus fornecedores, isso pode prejudicar e muito seu app e vice-versa, se for alto seu poder, pode beneficiar extremamente o seu negócio.

Imagine o Google e Apple. Quando você faz um app eles são seus fornecedores. Se um deles suspender o seu aplicativo da loja, qual é o seu poder de reversão sobre esta decisão? Quase nenhum. O que mostra que você está frágil nesta posição.

Poder de negociação dos clientes – isto depende muito do quanto o seu cliente depende do seu produto. Imagine que você tem um cliente, um supermercado. E que 90% de seus clientes consultam o aplicativo para saber as promoções do dia.

Na hora de renovar seu contrato você vai ter poder de negociação e poderá ter quase que certo a renovação dos seus serviços.

Rivalidade entre concorrentes – O nível de rivalidade entre os concorrentes afeta toda a estratégia da empresa. Imagine o Uber e 99, quanto de dinheiro eles perdem simplesmente pelo fato da existência da outra. Mas agora pense que o objetivo de cada uma é destruir a rival? O grau de competição importa, no sentido de que, se a rivalidade for muito alta você vai ter que investir montantes enormes de tempo e recursos preocupado com os movimentos da sua concorrente.

Novos concorrentes – se você estiver fazendo sucesso com seu app, outros virão. Essa é a vida. O iFood começou praticamente sozinho, hoje tem o Glovo, Uber Eats, Rappi e mais uma centena de concorrentes. O importante é você criar barreiras à entrada.

Se você for o primeiro, vá mais rápido, por que outros virão. A ideia é que você sempre tenha um diferencial competitivo com relação aos concorrentes.

Ameaça de produtos substitutos – não só serão apps que você estará concorrendo. Por exemplo, você acha que um app concorre com um panfleteiro? Por mais que sejam coisas totalmente diferentes, se o objetivo do app for trazer mais clientes para um estabelecimento, sim, o panfleteiro é um substituto.

O empreendedor na hora de divulgar seu negócio, faz a conta. Um app por R$3 mil reais ou duas pessoas entregando 20 mil panfletos na avenida mais movimentada da minha cidade. Então, saiba exatamente quem pode substituir seu app e saiba como estar a frente desses produtos substitutos.

Modelo de negócios de apps

Como você vai fazer dinheiro no seu negócio? Como seu app vai se sustentar?

Uma das tarefas mais difíceis quando se fala de planejamento estratégico é o modelo de negócios do seu app. A maneia que você vai monetizar o seu app pode ser feita de diversas maneiras. E nós tratamos este tópico no artigo 12 maneiras de monetizar seu app.

Mas não é só sobre como ganhar dinheiro, o quanto vai te custar para fazer este dinheiro também importa muito. O custo de desenvolvimento do app, as despesas de manutenção e investimento necessário em marketing precisam estar claros para você,  o que evitará dores de cabeça no futuro.

Claro, você não precisa ter uma bola de cristal e prever o futuro ou estar 100% certo. Mas além de como ganhar dinheiro e quanto isso te custará, existem outros pontos que devem ser considerados. E para isto, sugiro que você utilize a metodologia do Business Model Canvas (modelo de negócios Canvas).

Este método que simplifica a análise do modelo de negócios da sua empresa é simples e vai te dar uma visão 360 do seu business. O Sebrae lançou uma ferramenta que te ajuda na hora de montar o seu. Acesse a plataforma clicando aqui.

Conclusão:

Estratégia é um assunto e tema que pode ser tratados numa tese de doutorado e não é o meu objetivo colocar um ponto final em estratégia. Porém, vemos que muitos apps deixam de crescer e acabam não realizando os sonhos dos empreendedores pela falta de noção básica de estratégia.

Ao ler este post, você definitivamente está preparado para começar a pensar na estratégia e no crescimento do seu app e negócio.

Conte conosco e caso queira aprender mais sobre o mundo de apps, veja os artigos abaixo:

Como fazer  apps de cupom de descontos

Faça e venda appss

Quanto custam os apps?

Como criar a sua agência de Apps

Obrigado!
Hugo Yang

Confira abaixo a apresentação: